• Selemat

Tuneladoras continuam submersas em São Paulo


Após três semanas, o governo de São Paulo e a empresa Acciona ainda bombeiam o esgoto que invadiu as obras da Linha 6-Laranja do metrô e abriu uma cratera em plena Marginal Tietê, principal via de transporte da capital paulista. Há duas tuneladoras submersas no esgoto, como mostra reportagem do UOL.


Os equipamentos aguardam a drenagem dos túneis para serem avaliados e, assim, ter-se ideia de quando as obras poderão ser retomadas.


Enquanto todo o material não for completamente retirado, é impossível avaliar o estado das tuneladoras, que têm 109 metros de comprimento, dez metros de diâmetro e peso de duas mil toneladas.


Uma das máquinas já estava em operação, enquanto a outra, que está do outro lado da Marginal Tietê em relação ao acidente, ainda não estava completamente montada para entrar em operação, conforme explicou a pasta dos Transportes Metropolitanos.


O secretário Paulo Galli diz que a empresa está comprando toda parte eletrônica estragada pelo vazamento. A Acciona confirma que a parte eletrônica, de fato, está danificada, mas não falou em ter comprado o material. "A análise do estado dos tatuzões, bem como sua retirada, será realizada somente ao final da drenagem", afirma a empresa.


A entrega da obra da nova linha do metrô está prevista para 2025. O prazo, até o momento, segue inalterado, diz Galli.


"Por enquanto, não trabalhamos com aumento de prazo. A empresa está trabalhando nas outras frentes da obra. Nesse momento, trabalhamos com a manutenção dos estragos. A obra não parou", afirma.


Ao mesmo tempo, técnicos do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) estão elaborando uma análise sobre as causas do acidente e possíveis reparos para a continuidade da obra. A conclusão do estudo também não tem ainda uma data definida.

Fonte: Uol

5 visualizações0 comentário